You are currently viewing Entidades nacionais do transporte protocolam carta aberta contra regulamentação do táxi lotação em Maceio

Entidades nacionais do transporte protocolam carta aberta contra regulamentação do táxi lotação em Maceio

CNT, NTU e Fetralse listam uma série de prejuízos gerados pela medida anunciada pela Prefeitura de Maceió

Nesta segunda-feira (31), a Confederação Nacional do Transporte (CNT), a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) e a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros dos Estados de Alagoas e Sergipe (Fetralse) protocolaram na Prefeitura de Maceió uma carta aberta em repúdio à regulamentação do táxi lotação para realizar transporte público coletivo na capital alagoana. No documento, as entidades listam uma série de prejuízos gerados pela medida.

O principal ponto levantado na carta é que a decisão não respeita o artigo 175 da Constituição Federal, ao dispensar o procedimento da licitação para contratar um serviço público sob concessão ou permissão. Além disso, a criação do chamado “táxi especial” afeta de maneira negativa o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos firmados com as empresas concessionárias do transporte urbano de passageiros. “O novo serviço por certo provocará a redução do número de usuários do sistema ônibus, principalmente nas viagens de curta distância que respondem pelo equilíbrio do sistema”, detalha o documento.

As entidades supracitadas ressaltam também que a regulamentação do táxi lotação não contempla o aspecto social do transporte público, por não assegurar gratuidades aos idosos, aos portadores de necessidades especiais e aos estudantes, diferentemente dos ônibus. A modalidade ainda afeta gravemente a mobilidade urbana ao pôr em circulação mais carros de pequeno porte, aumentando congestionamentos e prejudicando a qualidade de vida da população, sem falar nos riscos à saúde durante a pandemia de Covid-19, por não haver fiscalização que garanta a sanitização diária dos veículos.

A carta é encerrada com um alerta sobre a insegurança jurídica que a decisão da Prefeitura gera para as empresas concessionárias do serviço de transporte urbano de passageiros e ao próprio Município de Maceió, por avançar sobre o objeto contratual firmado entre as partes, podendo causar sérios conflitos no futuro.

 

Deixe um comentário