Transporte de passageiros está em risco de colapso com queda de demanda em quarentena

Transporte de passageiros está em risco de colapso com queda de demanda em quarentena

Mas gratuidades continuam em utilização intensa, especialmente idosos e deficientes

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros de Alagoas e Sergipe (Fetralse) fez um levantamento da movimentação da demanda do transporte público coletivo nas capitais e observou uma queda do número de passageiros de mais de 78% em Aracaju (SE) e 75% em Maceió (AL), em oito dias de quarentena. Os dados compararam as duas últimas sextas-feiras em relação ao mesmo período das semanas anteriores ao fechamento do comércio, das escolas e de outras atividades não consideradas essenciais, para o isolamento social devido a prevenção contra a Covid-19.

A utilização da frota foi reduzida em 30% de sua capacidade, mas a prestação do serviço do transporte para garantir o deslocamento de profissionais das áreas essenciais, como saúde e segurança, continua a todo vapor, e as empresas, por sua vez, também mantém os esforços no combate à contaminação de acordo com as orientações das autoridades sanitárias. “Porém, como lidar com os custos de 70% frota em operação com uma demanda de apenas 22% do habitual?”, questionou o presidente da Fetralse, Alberto Almeida, apontando o risco do setor entrar em colapso.

“Isso tem preocupado as empresas de ônibus. A dificuldade em cumprir com as despesas do serviço diante da queda de demanda tem comprometido a continuidade da prestação do serviço pelo setor”, frisou ele. Só para custear a mão-de-obra e combustível é necessário 68% da receita de demanda habitual. E em Aracaju, já são 152 mil passageiros a menos por dia.

Aracaju e Maceió estão entre as realidades mais críticas de queda de demanda pelo Brasil. Outros destaques são Goiânia (GO) com 85%; Porto Alegre (RS) com 79%; cidades do interior de São Paulo e Salvador (BA) com 75% cada; e a região metropolitana de Belo Horizonte (MG) com 70%.

Gratuidades

Por outro lado, mesmo com as recomendações de que as saídas das pessoas às ruas devem ser evitadas ao máximo, e isso tem refletido na queda geral de demanda, a utilização das gratuidades no transporte continua sendo intensa. Em dez dias, entre pessoas com deficiência e idosos (que é um grupo extremamente vulnerável ao CoronaVírus), em Aracaju, mais de 28 mil desses usuários foram transportados. Antes do período de quarentena por conta da pandepidemia, a média de passageiros idosos transportados por dia era de 1,2 mil e hoje se aproxima de 3 mil, isso representa um aumento de 140% da movimentação registrada em período que eles deveriam estar em isolamento social.

Já em Maceió, o número de pessoas com deficiência e idosos transportados no mesmo período chegou aos 55 mil.

Da Fetralse

Deixe uma resposta